Mulher é condenada a indenizar médico por fotografar e ironizar o profissional durante atendimento em UPA no MS. A empregada Vera Lúcia Lopes, de 49 anos, foi condenada ao pagamento de indenização no valor de R$ 10 mil, pelo TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul).

No mês passado, Vera divulgou imagens de um médico conversando com colega na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Leblon em sua conta no Facebook. Na publicação, a paciente ironiza a conduta dos profissionais, enquanto a sobrinha aguardava atendimento no posto de saúde. A repercussão da postagem foi tanta e o caso parou na Justiça .

Há de se ressaltar que as redes sociais se transformaram em um campo aberto, expondo médicos e outros trabalhadores de bem a situações que muitas vezes não refletem a realidade, causando verdadeiros julgamentos de moral e caráter de forma totalmente maliciosa e parcial. Assim, tais ações judiciais passaram a ser constantes, vez que, habitualmente, o cidadão só aprende a tomar mais cuidado quando “dói” no bolso.

Como muito bem colocado por nosso advogado associado, Dr. Gesner Souto, em seu artigo “Exceção: quando o excesso no direito de reclamar se vira contra o consumidor “, o exercício do direito de reclamação pela insatisfação do atendimento, quando utilizado de forma excessiva através de expressões ofensivas e com nítida intenção de ofender determinada pessoa, gera responsabilidade civil, e que a insatisfação com atendimento ou serviço não dá o direito de atingir indevidamente a imagem e a honra de um profissional ou empresa, sob pena de se tornar a exceção à regra e responder pelo excesso.

Fonte: Campo Grande News